10/11/2011

Trilha Recanto das Flores

Essa trilha é quase um passeio. Lugares pitorescos, chegando a serem turísticos.
Começando pelo local de agrupamento e saída. Uma simpática comunidade rural, e uma escola municipal, incrustradas na Floresta do Lobo.
Primeiro ponto de atração, a nascente do Ribeirão Bom Jardim e, em seguida já no município de Uberaba, a Charmosa Estação Irara. Uma estação ferroviária desativada que está em lamentável estado de abandono - pena.
3 km à frente chegamos ao Hotel Fazenda Recanto das Flores. Muito verde, araras, papagaios convivendo tranquilamente com os visitantes.
Um rápido descanço e hidratação para prepararmos nossa volta que é bem mais longa.
A Floresta do Lobo (o que resta) ainda é muito bela. No passado daria pra fazer mais de 100 trilhas lá sem repetir trajeto.
Na chegada, já na comunidade rural, passamos por uma capelinha que nos atrai pela sua beleza singela.
Trilha com nível de dificuldade médio/baixo.

08/11/2011

Tirando onda com o Pugas.

Essa fotomontagem é pra aliviar o cansaço das trilhas e trazer um pouco de humor.
Vejam mais como esta no Álbum É Sério?
PulgaS

19/09/2011

Trilha Casarão 11/09/11

Novamente o Casarão.
O Sirio organizou a trilha pra podermos levar uns companheiros que estavam há algum tempo sem pedalar.
Essa trilha é ideal. Curta, rápida, alguns single-tracks, paisagem bonita, enfim tudo que um iniciante ou reiniciante gostaria. E pra quem pedala sempre, também é bom fazer e refazer.
Dessa vez partimos do Posto da Saída, no final da Av. João Naves. Isso encurtou um pouquinho o trajeto - ficou com 37 km.
Trilha com nível de dificuldade médio/baixo.

08/09/2011

Trilha Rio das Pedras

Fomos de carro até Martinésia de onde partimos de bike com destino ao Hotel-Fazenda Rio das Pedras.
Logo ao sair de Martinésia, nosso primeiro e grande desafio: o vale do Rio Uberabinha. Foram 5 km com ganho de elevação de 205 metros (ufa!).
A paisagem compensa o sacrifício.
Chegando no Hotel-Fazenda, nos dirigimos ao Rio das Pedras.
Lindas cachoeiras e quedas dágua nos convidaram para um banho.
Depois de umas Cocas pegamos o caminho de volta.
Essa época do ano deixa tudo muito árido e faz com que a beleza da região fique prejudicada.
Vale a Pena repetir essa trilha no verão.
Trilha com 48 km e nível de dificuldade alto.

29/08/2011

Trilha Preá Fundão

A trilha Preá Fundão fica no Município de Araguari.
Região muito bonita, porém montanhosa.
A região do Preá fica às margens da Represa de Capim Branco II. É uma antiga estação ferroviária que foi submersa pela represa.
Retiraram os trilhos mas ficou até hoje o leito desativado.
O Fundão é uma região com relevo muito acidentado onte existia uma comunidade rural. com igreja, escola e casas que, infelizmente se encontram em estado de abandono.
A vista que se tem do local é maravilhosa.
Um pouco mais a frente econtra-se o Viaduto Ferroviário do Fundão: um dos maiores do Brasil.
Partimos do Parque dos papagaios em direção ao Preá, seguindo pelo antigo leito da ferrovia até chegar próximo as margens da represa.
Em seguida partimos para o Fundão (haja subida!). Na volta passamos pela antiga Estação Stevenson, também desativada.
A trilha é curta e lenta: 35 km com nível de dificuldade alto.
Vale a pena fazer sem pressa e desfrutar.

16/08/2011

Amigos da Bike

Com muita satisfação acrescentamos mais um amigo na nossa galeria de amigos.
Com muita satisfação, nessa galeria de amigos tem o nosso amigo Facinho.
Com muita satisfação damos boas vindas a esse lindo, simpático e fofinho amigo de bike: O FACINHOOOO!!!
Seja bem vindo
(Paalmaaass!!)

02/08/2011

Trilha Cachoeira Mirandinha - Comunidade S. Antonio - Chácaras Rio Bonito

Faz tempo que eu estava de namoro com essa região.
Quando a gente está na BR 365, sentido Uberlândia - Patrocínio, passa pela ponte do Rio Araguari e, à esquerda, a região é muito bonita e também privilegiada com uma cachoeira maravilhosa: Cachoeira Mirandinha.
O Sirio Rossi, amigo e companheiro de pedal, que também curte brincar com GPS, é parceiro no trabalho de "cavar" novos traçados.
Com ajuda do Santo Google Earth, fomos descobrindo estradinhas, caminhos, lugares pitorescos até montar a trilha.
Deixamos os carros no Recanto do Sossego, às margens da Represa Capim I, ao lado da portaria da Usina de Miranda.
Em 16 ciclistas, partimos rumo ao nosso primeiro destino: a cachoeira.
Uma breve parada pra admirar a beleza de Mirandinha - Deve ter uns 30 m de altura.
Daí seguimos até nosso segundo ponto: a Comunidade de Santo Antonio. Um aglomerado de casas, uma igreja, escola e cemitério.
Deixamos a pequena e simpática comunidade com destino a MG 748 que liga Araguari a Indianópolis.
4 km de asfalto no sentido Araguari e entramos à esquerda para o próximo destino: Chácaras Rio Bonito.
Faltando 1,5 km pra chegar nas chácaras, uma descoberta que, no começo nos assustou. A estrada sumiu. Sim. Anos sem uso fizeram com que o mato tomasse conta do que, no passado, deveria ser um caminho que ligava as chácaras à MG 748.
Nesse trecho passamos por várias single racks, tocos tracks, galhos tracks, pedras tracks, espinhos tracks, arames-farpados tracks, etc tracks.
O Gerson (companheiro de trilha) nos acompanhou de moto até este ponto.
Por fim, foi muito legal. Uma aventura e tanto.
No condomínio, paramos em um barzinho pra descanço e reidratação.
O último trecho, 3 km na BR 365 e mais 3 na via de acesso à Usina de Miranda.
Dicas:
- Não façam essa trilha sem um GPS.
- Ao sair das chácaras, cuidado. Tem muro alto e portão eletrônico. O jeito é pedir pra alguém abrir ou esperar que entre ou saia um veículo.
- O Recanto do sossego cobra uma pequena taxa pra deixar os carros lá.
Trilha de 37 km, nível de dificuldade médio/alto.

25/07/2011

Trilha Cachoeira das Irmãs

A Cachoeira das Irmãs fica no município de Araguari numa região com perfil muito acentuado.
Isso torna a trilha mais seletiva, isto é: acessível a ciclistas com bom preparo físico.
Partimos, com as bikes embarcadas, do Posto Ecológico, na Av. João Naves.
Seguimos até a Fazenda Paraiso, na região da barragem da Represa Capim Branco I, onde , com permissão prévia dos proprietários, deixamos nossos veículos e partimos com destino à Cachoeira.
O trajeto inicial começa com subidas, as vezes íngremes, que culminam na Rodovia MG 748 que liga Araguari a Indianópolis. Daí, só alegria, ops, só descida.
Passamos pelo "Casarão Assombrado", e pelo acesso à Cachoeira/Usina do Piçarrão.
Chegando na Cachoeira das Irmãs, o desafio foi descer uns 70 metros de mata e pedras até a parte baixa da cachoeira.
O lugar é lindo! A água, gelaaada! (vejam as fotos)
Banho, brincadeiras. Alegria geral. A gente sai renovado.
Antes de voltar, pão de queijo na vendinha à beira da estrada.
O Nelson, amigo e jipeiro 4X4, nos acompanhou nessa aventura com seu Troller. Foi muito legal.
Ainda bem que o Nelson estava lá. Ajudou a resgatar ciclistas com problemas em suas bikes.
Brigaduu, Nelson.
A volta.......ufa! Subida, subida, subida.
Bom também foi a cervejinha no Recanto Paraiso (Peixinho).
Trilha com nível de dificuldade médio alto.
47 km em estradas de terra.
4 km de asfalto na Rodovia MG 748.

18/07/2011

Trilha Ponte A - Estação Sobradinho

Muito ouvia falar dessa trilha, de como era bonita, de como era difícil, singletracks, paisagens, adrenalina, etc.
Minha vontade de fazer-la só foi aumentando.
Chegou minha vez: Fiz.
Partimos da Trilha Bike, na Av. Cesário Alvin, seguimos por trecho urbano até a Cargil, no anel viário.
Daí, a maior parte de trilha é descida (coisa boa) com estradas e single tracks.
Quando a gente chega nas imediações do Rio Araguari, a paisagem fica deslumbrante (haja memória das câmeras).
A Ponte A é uma fascinante obra de engenharia e, pra completar a emoção da trilha, presenciamos a passagem de um trem com vagões carregados de minério (acho). A ponte tremia (dava um pouco de medo).
Na volta, passamos pela charmosa Estação Sobradinho, uma antiga estação de trens abandonada e, que pena, em mau estado de conservação.
Pra chegar novamente ao trecho urbano,subimos, subimos e subimos.
Ufa!
Trilha linda!
47 km, com aproximadamente 18 km de trecho urbano, porém tranquilos.
Nível de dificuldade médio.
Participaram 16 ciclistas.

13/07/2011

Remando no Uberabinha

No sábado à tarde, a convite do Leo Boloni, fomos remar contra a correnteza, no Rio Uberabinha. Partimos da Represa do DMAE (não contem pra ninguém) e subimos até os esconderijos dos jacarés - isso mesmo - JACARÉS. Eu não vi nenhum, mas o Leo garante que tem. Remamos uns 9 km. As águas cristalinas e frias do Uberabinha estavam mansas e convidativas. Pena que o sol já ia se por.
Vamos voltar.

18/06/2011

Trilha do Vulcão


Dia 25/06/11, vamos pra Caldas Novas fazer uma trilha na "Cratera do Vulcão"?
É uma trilha de nível de dificuldade médio. Cerca de 35 km.
Nas bordas da "cratera" a gente pode avistar Caldas Novas, Pousada do Rio Quente e outras maravilhas da paisagem local.

10/06/2011

Trilha Boa Vista (Casarão)

Até que enfim!
Tinha muita vontade de conhecer essa trilha.
Valeu demais!
Essa região é chamada de Fazenda Boa Vista mas a trilha costuma ser conhecida como Trilha do Casarão.
E que lindo casarão.
A trilha não é longa, 42 km e também não é difícil. A paisagem, muito simpática. A gente passa por várias casas-de-fazenda antigas, chega dar saudades dos tempos de adolescência.
Saimos do Posto Ecológico na Av. João Naves, seguimos até o viaduto da estrada de ferro e, por terra, chegamos até a Monsanto na rodovia BR 452.
Daí, praticamente só descida até nosso destino - o Casarão.
Passamos por pequenos riachos, muitas porteiras, até chegar na BR 365, perto da Vila Marielza.
Cruzando um serradinho, nos fundos do Bairro Morumbi, chegamos ao Anel Viário Norte e ao Bairro Aclimação.
Trilha com nível de dificuldade médio.
Um conselho. Faça essa trilha.

31/05/2011

Trilha Seringal, Rio Uberabinha e Borba

É sempre uma alegria encontrar amigos para pedalar nas manhãs de domingo. Desta vez os ciclistas agruparam-se no Posto Ecológico, na Avenida João Naves de Ávila, partindo em direção à região rural da Cruz Branca, que tradicionalmente proporciona boas pedaladas com perfil topográfico ameno e algumas surpresas agradáveis.
O grupo seguiu à Estação de Tratamento de Água Renato de Freitas – Unidade Sucupira, para depois passar pelo seringal da Cruz Branca, cruzar o Rio Uberabinha transportando as bicicletas, chegar à Mercearia e Lanchonete Borba para se reabastecer com o conhecido e delicioso pão de queijo que é produzido lá mesmo e, finalmente, voltar pedalando pela BR-452 até o ponto de partida. Este trajeto circular totaliza 53 km com ganho de elevação de apenas 342m, embora alguns ciclistas pedalem trechos adicionais até as suas casas.
O primeiro destaque da pedalada é o trajeto através do seringal da Cruz Branca que é curto, mas agradável e marcante pela beleza das passagens cobertas pelas copas das seringueiras, de onde se extrai o látex para a fabricação de borracha natural. Quem não conhecia aquele trecho ficou maravilhado com a beleza da cultura de seringueiras e principalmente pelo sombreamento que proporcionam ao caminho.
Deixando o seringal na direção sudeste os ciclistas logo chegaram ao segundo destaque da pedalada. Entrando pelo curral de uma propriedade à beira do Rio Uberabinha chegam à sua margem esquerda com a visão de uma pequena queda de água. Embora o volume de água seja expressivo há um caminho por onde o rio se alarga e apresenta pouca profundidade, permitindo aos ciclistas atravessarem a seu curso transportando as bicicletas para não se molharem. A transposição de uma margem à outra exige cautela, força e equilíbrio, mas deixa uma saudável sensação de vencer mais um desafio no passeio. No entanto há outro desafio durante os próximos 2km na pedalada de acesso à BR-452, por trilhas cobertas pelo mato numa colina que acumula mais de 60m de elevação.
Cruzando a rodovia chega-se à Mercearia e Lanchonete Borba onde os ciclistas sempre fazem uma parada para descanso, reidratação, e saborear o pão de queijo.
Este passeio é concluído depois da pedalada pelo último trecho, às margens da rodovia BR-452, de volta à cidade.
O percurso total não exige muita técnica dos ciclistas, apenas o condicionamento físico para a pedalada por mais de 50 km considerando ainda seu final por um trecho em asfalto. O trajeto, em grande parte, é através de estradas vicinais de boa qualidade que em alguns pontos apresentam curtos trechos com camadas de areia dificultando a pedalada.
Post Escrito pelo companheiro de pedal, Sírio Henrique de Carvalho Rossi.

18/02/2011

Uberlandia-Indianópolis.

Churrascão, cerveja geladíssima, travessia de balsa, muitos amigos e o principal: uma trilha pra lá de boa.
Foi assim o sábado - 12/02/11.
Saimos pela Av. João Naves, descemos por terra até a Cachoeira de Sucupira. Depois, seringal, parte baixa da Floresta do Lobo.
Um banho no Rio Uberabinha, em seguida estrada de terra pra Tapuirama.
Dobramos à esquerda, cruzando a BR 452 e descemos rumo à balsa que atravessa a Represa de Miranda, em Indianópolis.
Atravessamos pela balsa e rumamos para o Rancho do Zé onde nos esperavam, o churrasco e a cerveja.
Foram 62 km de trilha.
Nível de dificuldade: médio/alto.
Programa: alto nível.
Obrigado pelo convite, Sirio e pessoal da TrilhaBike.
Tem fotos boas pra caramba!
- Fotos Caiaquices
- Fotos do Sirio
- Fotos do Marcus

12/01/2011

Citroen Aircross/Multishow


O canal Multishow está exibindo às terças-feiras um programa muito interessante: Outros Lugares. Ótimo.
É uma puta ação de marketing da Citroen para promover seu lançamento: Aircross.
Vale a pena assistir.
Reuniram um grupo de aventureiros pra viajar pelo Brasil.
Visitem o site Expedição Citroen e confira também o Blog Expedição Aircross.
Muito legal!!!

10/01/2011

Fechando 2010 com chave de ouro.

Fechamos 2010 com chave de ouro - descendo as corredeiras do Rio Uberabinha.
O John e o Luiz Humberto vivem me dizendo que, se eu continuar remando em corredeiras, nunca mais vou querer remar em represa.
Estão engandados.
Corredeiras são adrenalina pura, emoções fortes. Remar em represa é paz, contemplação à natureza, grandiosidade e generosidade de belezas naturais. Eu gosto dos dois extremos.
Portanto, vou continuar remando em corredeiras e também em águas paradas, pronto.
Voltando ao assunto fechar com chave de ouro, descemos o Rio Uberabinha duas vezes no final do ano.
John, Luiz Humberto, Angelo, Leandro, Rose e eu no dia 21/11/10, e dia 31/12/10 com o John, Angelo, Leonardo, Dudu e Samantha,
O Leo, a Samantha a Rose e o Dudu, nunca tinham remado em corredeiras.
E gostaram..........muito!
O desafio começou em ter que carregar os caiaques por uns 500 metros até chegar ao rio, perto da Cachoeira de sucupira. Depois foi só alegria.
No verão, o rio está bem cheio, fazendo com que a água fique mais veloz e as corredeiras, digamos, mais emocionantes.
Que em 2011, venham muitos amigos, parceiros de remo e pedal, muitas trilhas, represas e corredeiras.
Vejam as fotos aí em baixo